Carla Veríssimo cria site para se dar a conhecer e ao seu trabalho.

Carla Veríssimo cria site para se dar a conhecer e ao seu trabalho| http://cavverissimo.wix.com/carlaverissimo

13/01/07

Dia 11 de Fevereiro: Vote SIM!

Sinto que tenho fazer algo.

Estamos a menos de um mês do REFERENDO!

Sinto que também eu tenho de entrar em acção, para fazer com que não haja abstenção. E claro, para fazer com que percebam a minha opinião e o meu apelo ao SIM.

SIM, por uma decisão pessoal e intransmissível;

SIM, porque o ABORTO, já é uma realidade no nosso país, mas infelizmente sem as melhores condições para tal;

SIM, por essas condições;

SIM, porque o dinheiro dos contribuintes não será só para isto, como se após a DESPENALIZAÇÃO não se gastasse dinheiro em mais nada!;

SIM, com a consciência de que esta não é a única solução. É claro que há outras medidas a tomar, como INFORMAÇÃO, PLANEAMENTO FAMILIAR, diminuição do custo dos preservativos e dos anti-conceptivos ou mesmo acesso gratuito!

SIM, porque mesmo com preservativos e pílulas, a eficácia não é de 100%!

SIM, porque a mãe deve ter direito a desejar um filho. Não a criá-lo sem condições psicológicas, sociais, financeiras, etc, etc, etc,...

SIM, porque a lei não vai obrigar quem não concorda com a DESPENALIZAÇÃO a fazer um ABORTO, mas obriga as que CONCORDAM a não o fazer!

SIM, por este tipo de LIBERDADE! De DEMOCRACIA!

4 comentários:

Poltergeist disse...

Tens toda a razão no que dizes. Penso que temos todos que lutar pelo direito das mulheres em serem livres de escolher o que é melhor para si, sem que para isso seja considerada uma criminosa.

Anónimo disse...

permite-me que não concorde contigo na totalidade!

fazes bem em lançar a questao e que se debata. gostaria que fossem tambem expostos argumentos do não para haver um esclarecimento e nao uma imparcialidade!

Carla Veríssimo disse...

concordo convosco, e concordo que não temos todos de estar de acordo, mas é como digo, se a lei for realmente para TODAS, as que não concordam, não têm de o fazer. De resto, uma das coisas que me aflige no NÃO, é ver imagens na televisão que não correspondem à realidade... nomeadamentequando mostram bebés de 2 meses como se tivessem 9.
Não é que eu goste de saber que alguém decide tirar a vida a um bebé de 2 meses, que seja, mas também não suporto saber que aquela mãe corre sérios riscos de vida quando decide que é melhor não ter aquela criançã, porque não se sente capaz de a criar, de a fazer feliz, de tantas, tantas coisas a que uma mãe tem direito, mas quando o DESEJA!!
E se as mães já o fazem ilegalmente e sem condições, só estamos a virar a cara ao lado a uma realidade mais perto de nós do que aquilo que imaginamos.
Já se perguntaram se conhecem aguém que o tenha feito? Alguma amiga vossa?
Tentem compreender as suas razões...

cerejo disse...

O que mais me revolta às vezes é a simples repetição de chavões do senso comum, frases feitas em torno das quais se faz a propaganda pelo Sim, SEM SE PENSAR MINIMAMENTE no que se está a dizer.
"Não ter as condições para a criar"??? Se por acaso fosse feito um registo com os dados relativos às mães que decidem abortar, talvez até houvesse uma surpresa quando fosse traçado o perfil da mãe-tipo que aborta! A mãe-tipo não seria tão desprovida de dinheiro, nem tão jovem, nem tão "desamparada" quanto seria de esperar. Aquela visão melancólica da mãe ainda adolescente, coitadinha, sem dinheiro, a meio dos seus estudos, que, MESMO TOMANDO TODAS AS PRECAUÇÕES no momento do acto sexual e sem pais que a possam apoiar, teve o azar de engravidar deverá dizer respeito a que percentagem do total de mães portuguesas que actualmente vão a Espanha abortar? Julgo que a maior parte dos partidários do SIM revêm essa imagem (tal reflexo pavloviano) vezes sem conta sempre que se lhes é falado em aborto!
Tendo por base essa imagem dizem-se coisas como:
1. "não ter condições psicológicas para ter a criança". UAu! Então mas se ela não estava realmente planeada, é de esperar que a mulher fique indiferente, não?
2 "Não ter condições sociais"? de que tipo? não percebo bem estas condições... Medo que o nascimento vá afectar a sua hetero-imagem? OU pior, os paizinhos a não quererem passar pela "vergonha" de já terem um neto e dos amigos destes paizinhos lhes apontarem o dedo qt à má educação/informação sexual que deram aos filhos. Realmente é de um impacte social preocupante!
3. "Não ter condições financeiras"? Este então é o melhor argumento de todos! Por favor leiam e analisem com seriedade mais estísticas sobre quem são as mulheres e o seu nível de vida nos países onde a IVG é permitida!! Quem realmente se move e "faz das tripas coração" para arranjar o dinheirito para ir ali a Badajoz abortar não poderia pensar que o mesmo poderia ser utilizado com o seu filho? Este argumento do dinheiro ainda se torna mais interessante qd nos lembramos da precariedade em que se vivia em Portugal há anos atrás por altura em que nossos pais e avós nasceram... Se este fosse um argumento válido, muitos de nós não estariam aqui hoje!
CONCLUSÃO? Podemos concluir brilhantemente que a criança não é de facto desejada. Pudera! Com tantos argumentos em torno de questões egocêntricas, não há de facto espaço para pensar no outro. Quantos de nós, na casa dos 20-30 anos não fomos fruto do acaso? Será que estavamos todos nos planos dos nossos pais? Fomos todos desjados? Perguntem aos vossos pais. E perguntem-lhes também se estão arrependidos da opção tomada? Surpreendidos com a resposta?... Talvez, até porque nem havia condições na altura!

Eu não vou votar, por uma decisão pessoal (tb n voto em eleições políticas), e não vou abrir excepção nesta questão. Se votasse, votaria Sim, apenas e simplesmente pelo princípio da liberdade de escolha de cada um querer fazer/dizer as asneiras que quiser... embora neste caso do aborto quem paga as consequências não são os próprios! Prevê-se que abortar em Portugal não deverá ser um acto médico comparticipado, adoptando-se assim o princípio do utente-pagador, e muito bem! Pois se existem outros tratamentos, medicamentos, internamentos, cirurgias e outras urgências de saúde que também não são comparticipadas... Merda de país que vive sempre à sombra do "subsídio"! Os impostos são necessários para outras coisas neste país do 3º mundo! Pensar-se k ainda existem regiões (DO LITORAL do país!!!) ainda sem o saneamento básico! Bem estou-me a afastar do tema... Reflictam!