Carla Veríssimo cria site para se dar a conhecer e ao seu trabalho.

Carla Veríssimo cria site para se dar a conhecer e ao seu trabalho| http://cavverissimo.wix.com/carlaverissimo

06/05/14

A propósito, da última fornada de bananas racista, deixo um texto de minha autoria:

Branco no Preto

Eu sou racista.
Sou racista.               
Sou racista porque gosto da raça de gente que tem cor, que tem cheiro, que tem alma, vida e fogo. Da raça de gente em que o sorriso, mais do que dos lábios, sai dos olhos; sai do olhar.
De toda a raça de gente que tenha música no corpo. Que trabalhe, dê, receba, partilhe. Que possa circular onde quiser. Que respeite, que seja respeitada.
Raça de gente com carácter e características, com defeitos, arrelias, cultura, identidade, hábitos e tradições.
Valores.
Tudo se resume a valores.
A sermos bons, mais do que humanos.
Vivam as cores, os tamanhos e as formas. Viva o dia, em que vieram partes minúsculas dos seres, dizer-nos em letra grande, que afinal, pretos, brancos, amarelos, vermelhos, ou torrados do sol, somos todos feitos do mesmo material: água, muita água, alguns ossos, músculos e mais ou menos carisma.
Eu branquela, adoraria ter um filho cor de chocolate. Um doce! Só porque sim.
Eu branquela, sou racista.
Sou banto, banguela, congo e mina, negro da terra, índio, mulato, caboclo, cafuz e cabra.
Sou muito cabra.
Sou mestiço.
Um Bonifácio, Gilberto, Arthur, Nabuco, Sílvio, Aroldo, François, Georges, James ou Charles.
Um Aborígene na Tribo, um gato-pardo ou um burro da cor-quando-foge.
Eu, branquela, tenho cor de pele, uma cor que vai muito além da minha moral e inteligência.
Não sou superior a uma formiga ou inferior a um elefante. Sou do mesmo material das estrelas, grão de cereal armazenado no verão.
E no inverno; no inverno, solto a música do meu corpo e danço. Oh se danço.
Misturo-me.
Toco a tua cor, a tua pele, o teu nariz, o teu cabelo, em suma, a tua origem.
E de que vale poder tocar num corpo negro, índio, branco, mulato, caboclo, cafuz ou cabra, amarelo, vermelho  ou torrado do sol, se não tocar no mais profundo dessa raça de gente que és? Que sou?
Viva a diferença. Que nos une, nos enriquece e nos torna mais gente.
Sou racista porque gosto da raça de gente que pinta com lápis, de cor.